“I know not what tomorrow will bring”

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Ele não sabia. E eu também não sei.

Sou eu, sou eu – eu! que estou aqui…! Como podes não… sentir… o que isso significa, no teu mundo, no meu – no nosso mundo? Tu. Eu. Nós……………………?

Se, folgado, nada me dizes agora – a mim -, presa, que tudo daria por uma palavra tua, daquelas que, eu sei bem, tu sentes, e bastaria para que a tua voz aniquilasse aquilo que eu sinto, é porque amanhã… demain… tomorrow…  won’t bring nothing that make me give a shit about anything.

C’est tout.

Agnes Rubra

Imagem

Le Bonheur Réside Dans la Possession du Bien…?

Imagem

Nada me dá alento para fazer aquilo que estou mesmo a fazer. Não acredito nesta obra, tenho a certeza que é maldita.

Eu participo mas estou inocente. Se o faço é por Amor a quem crê que quer mesmo isto. Pudesse eu dissuadi-lo! Mas, se tentar fazê-lo, ele zanga-se comigo. Bem sei, é tolo temer um tal argumento. Mas temo perder tudo, perder o Amigo! Isso, não posso! E o Amor redime, e também transpira e inspira, creio, espero. Mas será que salva dois…? ele e eu? Ou só a inocência vale?

O engano, o malogro d’ele… poderá resgatá-lo, quando se descobrir desproporcionado, errado? De nada me vale ficar sozinha com a razão.

La licorne mordorée dois être toujours absolument indéniable… et sans merci?

Eu não sei. Penso uma coisa e sinto outra.

I know not what tomorrow will be. Talvez seja merecido…

Agnes Rubra

Clair-obscur, Je n’aime rien tant que la blessure

É noite. Estou sozinha e sinto-me estranha, não por falta de uma boa companhia, que o sou para mim mesma, mas por algum outro motivo que não identifico. É tudo tão… estranho. O cão está irrequieto. Percorre as dependencias da casa, ladra sem motivo, vem espreitar-me, afasta-se um pouco, descoroçoado. Já por duas vezes foi até ao terraço e uivou. Eu gosto do som, lembra-me os lobos, mas não gosto que ele se sinta triste.

Agora apareceu-me aqui com uma maçã. Está a roê-la e a mirar-me com ar de desafio mas eu não me importo que ele roube uma maçã. Acho-lhe graça e sorrio. Ele conhece muito bem a expressão, evidentemente, e parece contrariado por eu não ter ficado aborrecida. Faço-lhe uma festa rápida nas orelhas macias, digo-lhe umas palavras meigas. Ele abandonou a maçã e retomou as corridas irrequietas pela casa.

Estou a escrever na penumbra, há apenas o pequeno candeeiro de abat-jour cinzento.

Atrás de mim, literalmente – pois começa nos calcanhares, passa nos ombros, na nuca e sobe até ao alto da minha cabeça -, é como se estivesse sol, um sol luminoso, mas se me volto, vejo o que é suposto que lá esteja… e a penúmbra. Assim que me endireito, para a luz fraca que escolhi para iluminar o meu serão de escrita e leitura, volta a sensação de que atrás de mim há uma vastidão de luz que começa, ou termina, nos meus calcanhares e se estende para cima e para longe, por detrás de mim. Como se a casa se tivesse partido e eu aqui restasse de costas para a zona de rompimento, a quebra.

Imagem

O cão ganiu baixinho. Eu voltei a sorrir.

Será que devia atirar-lhe uma coisa qualquer, brincar com ele ao busca, tentar entrar na luz imensa com a ajuda desta criatura de Deus, tão pura?

Agnes Rubra

I’m Nobody’s Baby Now

A wanderer I am. Não importa o tecto, não importa o pão, tenho de caminhar, correr fado, seja lá o que for – e eu não sei o que é -, mas não posso ficar quieta nos meus pés doridos. Tenho de caminhar, caminhar sempre. O meu andar errático magoa e é o meu maior bem, pois esse faz-me ser EU. E eu gosto de mim I don’t know why, I don’t know how, mas gosto.

Há pouco perdi-me num terraço, em plena cidade, mas era como se houvesse um portal e eu nem sei se me escapei ou se fui sugada para o espaço imenso do mundo que é a noite. De repente eu era uma ave nocturna e voei tão longe, tão longe… que fui lá, onde tu estás – no impossível! -, mas o impossível fez-se, no ardor das minhas asas, e eu estive nos socalcos contigo. Não havia palavras nem olhos nos olhos mas sabias que eu estava ali, sabias.

Adormeceste envolto nas minhas penas, suavemente, acalentado pelo meu choro doce e aliviado e calmo. Choro sempre assim, redimida. Mas isso, tu não sabes, nunca sabes. Que pena!

Imagem

Agnes Rubra

Les Larmes de Joie

I'm Fine

Não. A alegria não faz correr lágrimas, nenhumas lágrimas. Se comovido por alguma coisa profundamente boa ficares com os olhos marejados, não chames alegria a esse sentimento, que a alegria não é funda, é saliente. E se te torceres num riso incontrolável, até sentires as olheiras inundadas de água morna, a transbordar, não chames lágrimas a esse líquido, que as lágrimas são indeléveis e tu, daí a nada, terás esquecido o que te fez rir.

Não é por acaso que a canção se chama Cry Me a River. Há sempre um rio sereno e triste dentro de nós, que o vamos chorando ao longo da vida, quando estamos tristes. Se, por desespero, o chorarmos de uma vez só… hélasmeu amor, daí em diante não mais seremos capazes de chorar. Tu, consegues…? Eu sim, tu le sais.

Agnes Rubra

A Deep Sigh

Outra vez do lado de dentro. Aqui estou, Agnes. Quando eu sou tu torno-mete verdadeiramente Rubra. É obsceno ser duas. Ser quem chamo de eu (e na realidade é a ti que chamo eu) é apenas selvagem.

Foi a solidão que me fez cair tão fundo em mim, a ponto de te encontrar, e a surpresa do teu rosto expondo todas as expressões que o espelho jamais me revelou foi o bálsamo reparador das feridas abertas durante a queda.

Sabes, existem venenos inocentes. Estranhas palavras, certas.

Agnes Rubra

Tempête en mer de larmes

Imagem

Viver o sono e o sonho é conhecer-me. No profundo é que estou inteira, mergulhada, rodopiando em loucas ideias parecidas com gestos desabridos. Sinceros.

Como estranhei sonhar contigo e, de repente, saber tão bem quem és, há tanto tempo! Muito antes de todo este mar revolto e das volutas desabridas em que rasgo as ondas, livre, já eu era presa em ti, era tão tua, que me não largavas, nunca…

Por que será que esqueço tudo assim que acordo?

Agnes Rubra